Notícias

Faculdade Pan Americana no combate ao Aedes aegypti

Faculdade Pan Americana no combate ao Aedes aegypti – Responsabilidade Social que se dissemina

A Faculdade Pan Americana possui tradição no desenvolvimento de atividades sociais no Nordeste do estado do Pará. Ao longo de seus onze anos a faculdade já capacitou mais de 1.500 alunos, sendo todos estes multiplicadores de sua filosofia de ensino, que denota o mais profundo respeito pelo bem estar social.

Face aos novos desafios, a Faculdade Pan Americana atualiza suas atividades para contemplar as possibilidades de mitigação dos problemas sociais. Uma preocupação da atualidade é a disseminação das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.

A doença mais conhecida transmitida por esse inseto, denominado localmente de forma genérica como “carapanã da dengue” ou “mosquito da dengue”, é a dengue, porem casos de contaminação por zica vírus e febre chikungunya, já foram registrados na região.

A Faculdade Pan Americana visando minimizar os impactos dessa problemática que se espalha por todo pais, insere em suas salas de aula discussões sobre as causas e consequências da disseminação das doenças e de seu vetor. Nos debates os alunos são instigados a agirem como multiplicadores das diretrizes necessárias a erradicação do mosquito da dengue.

No âmbito institucional a Faculdade Pan Americana revisa cuidadosamente e periodicamente suas dependências e vizinhança para eliminar focos de reprodução do mosquito, e divulgar as precauções e medidas contra o problema.

Com cerca de 800 alunos atualmente matriculados na instituição, sendo estes oriundos de grupo familiares de diferentes cidades, contexto social e econômico, com uma faixa de 6 pessoas cada, a faculdade espera multiplicar as discussões e orientações repassadas em sala de aula para mais de 4.800 pessoas em 10 diferentes municípios da região nordeste do Pará.

Esse esforço é apenas mais um no combate a erradicação das viroses transmitidas pelo mosquito da dengue e a Faculdade Pan Americana contribuiu na mobilização nacional “# Zica zero” e continua contribuindo, para desenvolver a região nordeste do Pará.